terça-feira, 28 de janeiro de 2014

A Praxe...

Com a tragédia que se sucedeu no Meco, o assunto Praxe voltou novamente à 'baila' e, depois de tudo o que já li e ouvi, aproveito para deixar a minha opinião acerca do assunto. 
Fui praxada quando entrei na Universidade, por vontade própria, pois ninguém me intimidou a tal. Ouvia sempre falar de um tribunal de praxe para os que negavam, mas isso são tretas por aqui (desculpem o termo). 
A praxe a que foi submetida consistia em andar de um lado para o outro, fazendo jogos ou interagindo com estudantes de outros cursos. Nunca fui humilhada e sempre que não queria fazer algo, não fazia e ponto final! Por exemplo, no que tocava a pinturas faciais, negava-me e ninguém me tocava. Um bâton não foi feito para se colocar na testa.  
Com esta praxe, concordo. Eu era uma miúda extremamente tímida, com muita dificuldade em socializar e ser praxada até que me ajudou a ultrapassar isto. Conheci muitas pessoas e diverti-me imenso. Nunca quis praxar.
Mas esta praxe comparada com o que se tem ouvido dizer, é uma brincadeira inocente.

O que tenho lido acerca do que aconteceu no Meco, já me parece outra coisa. São pessoas obcecadas que vivem a praxe como se fosse um ritual ou, pior, uma seita. Pactos de silêncio? Qual é o sentido disto? Qual é o sentido de se integrar numa universidade, entrando no mar à noite? E quem raio é um 'Dux' para se achar 'dono' da vida dos outros? 
Não culpo o tal 'Dux' da morte dos colegas, acredito que ele já se deve estar a sentir bastante mal. Eu não imagino como se recupera de uma coisa destas. A minha opinião é que todos tiveram culpa nesta situação. Eram todos adultos e maiores de idade. Sabiam os perigos de entrar no mar, certo? Se de dia já é um perigo, durante a noite, é mesmo loucura. 
Pode-se alegar que os jovens tinham medo de recusar uma ordem e que poderiam ser prejudicados na Universidade, mas preferia arriscar isso que a minha própria vida. Enfim, acho que foi um acto irresponsável por parte de todos os jovens e que acabou como todos nós sabemos.

Não acho que a Praxe deve ser banida, pelo simples facto de, por vezes, ajudar (como foi o meu caso). Acho é que as Universidades deviam ter mais controlo e deviam estabelecer regras que devessem ser aplicadas e castigos severos para quem não as cumprisse. É óbvio que nem todos iam cumprir, mas certamente traria uma rédea mais curta para que estas situações não se repetissem.

Sejam civilizados e aprendam a respeitar a dignidade humana!

16 comentários:

  1. Olá Sofy C. obrigada pelo seu comentário. Realmente os produtos desta marca são fantásticos, por isso estou cada vez mais rendida.

    Beijinho grande!!

    Estou retribuindo a visita e aproveitei para ler o seu blog. Parabéns pelo texto sobre a Praxe, que é um assunto tão polêmico e que no fundo envolve muitos interesses diversos, mas o que nunca devemos esquecer é que a vida humana é acima de qualquer coisa o mais importante e quando vidas são perdidas, temos que fazer algo para evitar que isso volte a acontecer.

    Espero que algo seja feito nesse sentido, mas é só a opinião de quem já esteve na universidade e nunca gostou desse tipo de coisas.

    Sucesso minha querida! Já estou a seguir-te.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Clênia Daniel, pela visita, pelo comentário e por ter 'ficado' por cá.

      Concordo com tudo o que disse no seu comentário sobre a Praxe, alguma coisa realmente terá que ser mudado.
      Beijinhos*

      Eliminar
  2. Eu não tenho bem uma opinião acerca disto infelizmente conhecia uma pessoa que faleceu nessa tragédia e foi um choque ver tudo isto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lamento imenso Audrey Deal. É uma situação muito triste, realmente :(
      Beijinho e força*

      Eliminar
  3. A situação em si foi muito complicada e gostava de saber o que realmente se passou porque na minha cabeça só consigo construir um cenário, o suposto dux mandou-os para dentro de água em tom de brincadeira só para serem batizados por alguma razão e infelizmente as coisas correram mal.
    Fui praxada com muito orgulho pertenci a uma tuna no qual fui praxada também e todas as praxes eram controladas, claro que as praxes psicológicas eram outra coisa, mas nada que uma pessoa não aguente! As praxes são diferentes de academia para academia uns lados mais fortes que outros, mas existem coisas que são abuso e qualquer pessoa tem o direito a dizer que não quer fazer.

    Foi uma situação que veio deixar todos os pais preocupados com as praxes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá. Obrigada pela visita e pelo comentário.
      Acho que a tua experiência foi parecida com a minha, apesar de nunca ter pertencido à tuna.
      Também concordo com a situação dos pais. Se eu tivesse um filho na universidade também ficaria alarmada e preocupada.
      Beijinho*

      Eliminar

  4. Boas. adorei o seu blog. estou a segui-la!!!
    beijinhos,
    MónicaP
    p.s: deixo o meu mais recente blog se puder seguir-me ficarei grata <3

    Manchas de Batom



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Mónica. Obrigada pela visita e pelo comentário.
      Também já estou a te seguir.
      Beijinho*

      Eliminar
  5. As pessoas parece que não sabe o que é brincar - a praxe - e o que é a vida real - a morte...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá S*.
      É verdade, como tudo na vida, é necessário ser ponderado e não brincar com a própria vida.
      Beijinho*

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Olá Carolina. Obrigada pela visita e pelo comentário.
      Beijinho*

      Eliminar
  7. As praxes é como tudo na vida: há que existir equilibrio.

    Contudo, os humanos são ótimos em abusar e ir mais além...em tudo.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Pérola. Concordo plenamente contigo.
      Os humanos realmente gostam de abusar e tentar a sorte, com muita irresponsabilidade à mistura!
      Beijinho*

      Eliminar
  8. Sou absolutamente contra a praxe e considero que o argumento da integração não é suficiente para justificar essa " tradição" .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Obrigada pela visita e pelo comentário.
      Eu não sou contra a praxe, mas entendo o teu ponto de vista.
      Beijinho*

      Eliminar